A Autoridade para as Condições no Trabalho está há dois meses à espera de respostas da Ryanair sobre as suspeitas de violação da lei da greve, em março e abril.