Vêm da América do Sul ou de África, sem visto de trabalho. As famílias pagam até cinco mil euros para os filhos serem colocados em clubes onde são obrigados a jogar. Mesmo doentes, mal alimentados ou a dormir no chão.

Top Notícias