Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average avançou 0,03%, para os 25.709,94 pontos.

Ao contrário, os outros índices recuaram, com o tecnológico Nasdaq a perder 0,16%, para as 7.630,91 unidades, e o alargado S&P500 a recuar 0,09%, para as 2.808,48.
Os índices pouco variaram ao logo da sessão, contentando-se com reações contidas ao contexto internacional.
"Sentimos a hesitação dos investidores" depois das informações da agência Bloomberg, que indicou que a cimeira entre os presidentes norte-americano e chinês, esperada para março, iria ser adiada para abril, afirmou Peter Cardillo, da Spartan Capital.
Além da atualidade ligada à guerra comercial, a China provocou alguns movimentos bolsistas, depois de divulgar estatísticas, consideradas dececionantes pelos investidores em Wall Street, sobre a sua produção industrial nos dois primeiros meses do ano.
Esta ficou no nível mais baixo desde há dez anos, o que confirmou ainda mais a desaceleração da economia asiática, a segunda mais importante a nível mundial.
Nos EUA, os indicadores também não alimentaram mais otimismo junto dos investidores, com as vendas de casas novas a caírem fortemente em janeiro e as inscrições semanais no subsídio de desemprego a aumentarem.
O voto dos deputados britânicos para um adiamento da data de saída do Reino Unido da União Europeia, o designado Brexit, foi objeto de atenção por parte dos investidores na praça norte-americana, mas não causou reações significativas.
"A extensão potencial do prazo para o Brexit vai trazer alguma incerteza suplementar aos investidores", afirmou Cardillo.
 

Top Notícias