Um relatório da Coordenação Nacional para a Redução de Desastres explica que, desde o início da estação chuvosa, em maio passado, registaram-se 182 incidentes, entre inundações repentinas, deslizamentos de terras e desmoronamentos de estruturas, refere a agência espanhola EFE .
Durante a avaliação dos danos, foram contabilizadas 370.564 pessoas afetadas , sendo que 1.031 perderam os seus bens, 2.219 foram retiradas temporariamente e 135 abrigadas. Há ainda o registo de cinco feridos, cinco mortos e um desaparecido.
Segundo aquela instituição de proteção civil, as chuvas torrenciais deste ano também deixaram 341 casas com danos ligeiros, 576 com danos moderados e 114 destruídas. Foram afetadas 59 estradas, um prédio, oito escolas e duas pontes.
Só durante o mês de setembro , 40.107 pessoas foram afetadas nos departamentos de El Progreso , Guatemala, Huehuetenango , Petén e Suchitepéquez , tendo 105 delas sido temporariamente deslocalizadas . Nove casas foram moderadas e severamente danificadas.
O Protocolo Nacional da Temporada de Chuva e Furacões de 2019 permanece ativo e um alerta amarelo (de prevenção) institucional também vigora em todo o território guatemalteco.
A instituição aconselhou a população a ter em consideração que a estação das chuvas ainda decorre, não estando descartada a possibilidade de novas inundações e deslizamentos de terras repentinos.
A Guatemala é um dos países mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas, que todos os anos afetam milhares de pessoas.
No ano passado, segundo estatísticas da Coordenação Nacional para a Redução de Desastres, oito pessoas morreram e quase 667 mil foram afetadas pela estação chuvosa, além dos danos provocados em, pelo menos, 96 estradas, nove pontes, 10 escolas e mais de mil habitações.
 
 

Top Notícias