"Existe agora um acordo entre as partes sobre a composição do comité e (o enviado especial da ONU par a Síria) Geir Pedersen está a finalizar com as partes os termos de referência", disse, na quarta-feira, Guterres numa conferência de imprensa sobre a próxima Assembleia-Geral da ONU .

"Esperamos que seja concluído em breve" , acrescentou.
"Espero que este seja um passo muito importante na criação de condições para uma solução política para esse trágico conflito", afirmou Guterres.
A ONU trabalha há meses na criação deste comité, que deve incluir 150 pessoas, das quais 50 são escolhidas pelo regime, 50 pela oposição e 50 pela ONU .
As discussões arrastaram-se devido à composição da última lista, sendo que a ONU e Damasco discutiram por um longo tempo sobre alguns nomes. Neste verão, segundo diplomatas, o bloqueio ficou em apenas um nome.
Além da composição do comité, as Nações Unidas, a oposição e Damasco também devem concordar com os procedimentos operacionais deste órgão e a sua hierarquia. Os diplomatas temem que a sua futura implementação ainda leve meses.
O jornal pró-regime Al- Watan informou que Pedersen chegará a Damasco no domingo para se encontrar com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Síria, Walid Mouallem , na segunda-feira.
" Pedersen deve rever os procedimentos e mecanismos de trabalho do comité constitucional, depois do acordo encontrado para todos os nomes", disse o Al- Watan na sua edição de hoje.
Um anúncio oficial pode ser feito por Pedersen numa "reunião do Conselho de Segurança agendada para 30 de setembro ", informou o diário.
A realização de um avanço político é considerado importante porque a Europa e os Estados Unidos condicionaram qualquer ajuda à reconstrução da Síria aos progressos reais no rumo de uma solução política para a guerra no país.
O custo da reconstrução da Síria é estimado em 400 mil milhões de dólares (361 mil milhões de euros), segundo um diplomata europeu.
Sem o progresso político, esse custo terá de ser financiado apenas pela Rússia, referiu diplomata.
Leia Também: Síria: Mais de mil civis mortos em quatro meses
 
 

Top Notícias