A elétrica espanhola suspendeu em agosto passado a construção da barragem por tempo indeterminado, estando cada vez mais próxima uma rescisão do contrato com o consórcio da Mota-Engil, Acciona e Edivisa. As condições de segurança estão na base da divergência.

Top Notícias