"Não queremos desligar desse governo, isso deve ficar claro. O comboio da legislatura chegará a 2023, quem quiser sair antes que o faça. Queremos dar ao país uma alternativa a esse 'bullying' institucional", afirmou Matteo Renzi , referindo-se a Matteo Salvini .

As declarações de Matteo Renzi acontecem dois meses depois da rutura da coligação de governo entre a Liga, que lidera, e o M5S, e a exigência de eleições, que não foram convocadas após um acordo para um novo executivo, firmado entre esta última formação, o Partido Democrata (PD, social-democrata) e o Livres e Iguais (LEU).
Em resposta a esta aliança, Matteo Salvini encenou a união das direitas, juntando na mesma iniciativa os governadores das regiões controladas pela sua aliança, com o conservador Sílvio Berlusconi e com Giornia Meloni , líder do movimento de direita radical Irmãos de Itália.
O Governo do M5S e dos partidos de esquerda está a preparar o orçamento do Estado para 2020, mas dependente das decisões do ex-primeiro-ministro social-democrata Matteo Renzi .
O político florentino cindiu do Partido Democrata e fundou uma nova formação, Itália Viva, que de momento apoia o Executivo.
 
Leia Também: Itália apreende 250 embalagens de Pringles com sabor a vinho branco
 

Top Notícias