Distrital, concelhia e núcleo do partido assumem uma posição e neutralidade institucional relativamente ao presidente que vai a votos a 11 de Janeiro.