A redução sustentada das taxas de insucesso e retenção só se consegue com melhor ensino e melhor aprendizagem. É esse desafio que deverá mobilizar as políticas públicas de educação, sem recurso às soluções “mágicas” que mais não são que um paliativo e uma ilusão sem efeitos duráveis.