Uma das conclusões do ensaio de Freitas do Amaral diz que foi Cristo o verdadeiro precursor do princípio da "separação entre a Igreja e o Estado": "A Deus o que é de Deus, a César o que é de César".