O presidente do Brasil,  Jair Bolsonaro , disse esta quarta-feira que as queimadas e  desflorestação  não devem acabar, pois são culturais. "Você não vai acabar com o desmatamento nem com as queimadas. É cultural", comentou, segundo a imprensa brasileira.

Bolsonaro escusou-se novamente a responder a perguntas sobre o aumento de 29,5% da desflorestação  na Amazónia, a maior taxa desde 2008, voltando também a citar a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente como exemplo de insucesso. "No período dela, tivemos a maior quantidade de ilícitos na região amazónica", referiu.
O presidente do Brasil confirmou que o governo pretende editar uma Medida Provisória (MP) para regularização fundiária nos Estados da Amazónia Legal. "Nós queremos é titularizar as terras. Uma vez havendo o ilícito, você sabe quem é o dono da terra. Hoje em dia você não sabe", disse.
Bolsonaro afirmou que está previsto para esta MP a autodeclaração como ferramenta para a entrega dos títulos de terra. A proposta é uma bandeira do secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura (MAPA), Nabhan Garcia, mas tem vindo a ser alvo de resistência da ala ligada à ministra Tereza Cristina (DEM).
Leia Também: Bolsonaro revoga decreto que proibia cultivo de cana de açúcar