Trinta anos passados sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança, várias questões se impõem. Será que estes direitos são, de facto, salvaguardados? Será que as próprias crianças têm a noção dos seus direitos? E as famílias, será que os reconhecem? A resposta a todas estas questões é negativa.