Lisboa, Porto e Coimbra estão a atrair investimento para a abertura de residências para estudantes. As atuais 18.000 camas devem passar a 28.000 em três anos, estima a Cushman&Wakefield.