A diferença entre a morte e os impostos é que a morte, ao contrário dos impostos, não fica pior sempre que os políticos se reúnem. A piada é do comediante Will Rogers, mas parece assentar que nem uma luva à realidade portuguesa. Nos últimos anos, a carga fiscal, que mede o peso dos impostos e das contribuições sociais no PIB, bateu todos os recordes. No ano passado atingiu os 34,9%. Estão os contribuintes a ser "depenados" ano após ano? E será que no próximo ano ainda vamos pagar mais IRS? Ouça o episódio do podcast do Expresso